.posts recentes

. O REGRESSO.. NOUTRO SÍTIO

. Arquivos

. A Incerteza

. Mimos e Beijos

. 3 Anos

. Esclarecimentos

. Decisões...

. Lene

. Ter-te comigo

. Pequena frase

.arquivos

. Maio 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

Domingo, 25 de Julho de 2004

Desilusão

Como te recusas a ouvir-me decidi escrever-te. Não sei se o problema é meu, se é teu, sinceramente não sei. Não sei o que se passa conosco, a única coisa que sei é que as coisas não podiam estar piores. Mais uma vez, precisei de ti, e mais uma vez não vieste. Se tivesses em TN, eu compreenderia, mas não, estás a 9 Km de minha casa, mas mais uma vez tudo está à minha frente, nem quando eu realmente preciso das tuas palavras, do teu calor tenho direito a ser a prioridade na tua vida. Dizes que eu nunca enfrento os meus pais, e tu? Quando é que tu já enfrentas-te os teus por mim, hoje, que eu tento precisava de ti foste incapaz de enfrentar os teus pais e de dizer que querias me vir ver, que eu precisava de ti. Sabes perfeitamente os tempos dificeis que tenho pela frente e que estou a ultrapassar, mas mesmo assim eu não sou digna de uma visita. Nem sabes como eu estou triste, desiludida como nunca pensei que um dia poderia vir a estar. Mas tudo isto me passava, apesar de a mágoa ainda perdurar por algum tempo, se tu não falasses comigo da forma como falas. Com ódio, com desprezo, como se eu fosse apenas mais uma rapariga qualquer, totalmente descartável e não a pessoa que dizes que amas mesmo quando estás chateado. Como é que consegues? Gostava de saber. O meu coração e a minha alma choram ao escrever estas palavras e as dúvidas assolam-me. Como é que a pessoa que diz que me ama mais do que tudo me consegue tratar assim? Será que vale a pena? Eu quero acreditar que assim porque ao mesmo tempo que estou a escrever estas palavras o meu coração já te está a perdoar e a dizer para te telefonar e fazermos as pazes. Acontece sempre isto, quando me desligaste o telefone disse que não te iria telefornar e que me iria recusar a falar contigo, mas cinco minutos depois já tudo passou. Ás vezes não queria ser assim, mas o que fazer, se eu te amo, apesar de tudo.
publicado por Unpredictable às 19:10
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Anónimo a 26 de Julho de 2004 às 14:21
Uabet, compreendo perfeitamente o que estás a sentir, porque muitas vezes ajo como o Unpredictable... Sei que parece difícil percebermos como é possivel que se ame e ao mesmo tempo se rejeite... Eu mesma não sei explicar, mas sei que é possível sentir isso :/

No entanto no amor é preciso haver cedências parte a parte para que haja entendimento. Espero que consigam ultrapassar essa fase má! ****Afrodite
(http://onossoamor.blogspot.com)
(mailto:afrodite@sapo.pt)

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2005

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30
31
blogs SAPO

.subscrever feeds